POLÍCIA CIVIL DESMANTELA ESQUEMA DE PRODUÇÃO E VENDA DE CIGARROS FALSIFICADOS EM SETE LAGOAS

Duas pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) em operação de combate à produção e à comercialização ilegal de cigarros. No curso dos trabalhos policiais, diversos produtos também foram apreendidos. A ação foi realizada nessa terça-feira, dia 22, em Sete Lagoas e municípios do entorno, na região Central do estado.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, os policiais localizaram grande quantidade de materiais utilizados para a produção dos cigarros, além de produtos falsos prontos para a comercialização. Também foram apreendidas mercadorias originais, desviadas de uma empresa que atua de forma legalizada.

Foto: Divulgação PCMG

 

 

Investigação

As investigações, conduzidas pelo Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp), iniciaram após relatos indicando a suposta falsificação de cigarros de palha, com a utilização de insumos impróprios e embalagens desviadas de uma empresa registrada.

De acordo com a delegada Fabíola Oliveira, “a informação era de que uma empresa que fabrica cigarros de palha estaria sendo lesada com a produção falsificada do seu produto e distribuição em municípios próximos a Sete Lagoas, onde a marca é bastante conhecida”.

A delegada conta que o proprietário da empresa começou a desconfiar do crime a partir do momento em que comerciantes locais não estavam adquirindo os cigarros da fábrica, porém, o produto continuava a ser vendido nesses estabelecimentos, inclusive, a valores menores.

“O fabricante adquiriu, então, algumas amostras para verificar se o que estava acontecendo era um desvio na fábrica ou uma falsificação integral do produto. Ele descobriu que, na maioria dos locais, o maço do cigarro era verdadeiro, mas o conteúdo não”, descreve Fabíola sobre a motivação da denúncia por parte do empresário.

Foto: Divulgação PCMG

 

 

Sobre o esquema

Conforme apurado pela equipe do Deoesp, um prestador de serviço da empresa estaria furtando as caixas vazias, bem como cigarros já preparados para a distribuição.

“Quando possível, ele pegava o material já pronto e embalado, totalmente original, e repassava para o comparsa. Quando não era possível o total, ele extraviava as caixas fechadas de maços [embalagens] para introduzir o cigarro não original e vendido como se fosse”, explica a delegada.

Para a fabricação do produto falsificado, a polícia acredita que um dos suspeitos obtinha o material de forma ilegal e contratava pessoas para a preparação dos cigarros, pagando R$ 50 por mil unidades produzidas. Cada pessoa recebia uma quantidade suficiente para produzir de 4 mil a 8 mil cigarros.

Inicialmente, o prestador de serviço da empresa, preso na ação, irá responder pelo crime de furto qualificado por abuso de confiança. Já o responsável por vender o material será indiciado por receptação qualificada, crime contra a ordem tributária, crime contra o consumidor, por colocar produtos sem a devida autorização para consumo e, possivelmente, por falsificação.

error: