PESQUISA DA UFMG DESENVOLVE TESTE QUE DETECTA COVID-19 PELA URINA

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) anunciou ter obtido a patente para um novo teste voltado para o diagnóstico da covid-19. O exame é capaz de detectar a presença de anticorpos que combatem o novo coronavírus nas amostras de urina dos pacientes.

Fernanda: resultados superiores aos alcançados com amostras de soro. Foto: Arquivo pessoal

A pesquisa que levou ao desenvolvimento do teste e comprovou seus resultados satisfatórios integrou o pós-doutorado da bióloga Fernanda Ludolf na Faculdade de Medicina da UFMG e foi realizada em interlocução com outras instâncias da universidade, como o Instituto de Ciências Biológicas e o Hospital das Clínicas. Contou ainda com o reforço de pesquisadores que vêm se debruçando sobre estudos envolvendo a covid-19, como os infectologistas Eduardo Coelho e Vandack Alencar e o virologista Flávio Fonseca.

Segundo Ludolf, foram analisadas 240 amostras de aproximadamente 150 pacientes. A sensibilidade foi de 94%, o que significa que, de cada 100 pessoas que tiveram contato com o novo coronavírus, 94 são identificadas. Também foi obtida uma especificidade de 100%, ou seja, não houve nenhum caso em que o resultado positivo detectou uma doença diferente da covid-19.

“Não estamos detectando o coronavírus em si. Então o que podemos falar a partir desse exame é que o paciente teve contato com o coronavírus e que ocorrreu a conversão imunológica. Ele produziu anticorpo”, explica a bióloga. Ou seja, um resultado positivo não significa que a pessoa ainda está infectada, pois seu organismo pode já ter eliminado o invasor.

O novo teste, por sua vez, é uma alternativa aos exames sorológicos que se valem de amostras de sangue. Eles também são voltados para detectar anticorpos e avaliar a resposta imunológica. O estudo realizou comparativos entre estas duas possibilidades. S

De acordo com a Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) da UFMG, já estão em curso negociações com laboratórios das áreas de saúde e biotecnologia para que a novidade possa ser colocada à disposição da sociedade. Uma vez estabelecida a parceria, o teste precisa ainda ser avaliado e aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Teste foi desenvolvido na pós-graduação em Infectologia e Medicina Tropical. Foto: Arquivo da pesquisa
error: